21 de setembro de 2017

Ultra Trail de Mont Blanc 2017



Foi toda uma aventura à volta do Monte Branco.



Era impensável imaginar o que passámos, tudo o que vivemos. As alegrias e as angústias, abastecimento após abastecimento, sempre à espera e curiosos de ver a expressão do Paul Michel. Seria a expressão do desalento? Seria a expressão de quem trazia a faca nos dentes? A primeira coisa que fazia era fitar-lhe o olhar. Já o conheço. E digo para mim: “ele já vem com aquele olhar…” Os miúdos ficavam nervosos e estavam sempre a pressioná-lo para correr. No seu pequeno imaginário ainda lhes passava pela cabeça que o pai até pode vir a chegar à meta numa posição da frente. Mas a meio da prova perceberam, mesmo a sério, que a grande motivação do pai e dos outros era chegar ao fim.



Dois dias e duas noites de carro atrás do rasto. Atrás do rasto de um homem que em Novembro de 2012 decidiu que teria de mudar a sua vida. Deixar para trás 103kg, comprimidos para a tensão arterial e colesterol e tentar correr, pelo menos, ao ritmo da mulher. Meu Deus!! Como tu eras… Pensar que não me acompanhavas a correr…


Desde 2012 que te sigo o rasto. Escrevo sobre ti, (agora!!) corro atrás de ti e ultimamente dou-te apoio em provas. Carregada de saco ao ombro já conhecem “a menina do saco da Grivel,  lá vem ela com quilos de material ao ombro e um filho de cada lado”.


Levas sempre tudo. Levas sempre o saco carregado com tudo em excesso e a dobrar. Tal e qual o nosso coração: vai sempre cheio e a transbordar. Em cada abastecimento também abrimos o nosso coração e tiramos de lá (não géis, nem barras, nem Rehidrat), mas sim motivação e força. Tudo isto também levamos em excesso. A vantagem é que não pesa nem ocupa espaço. Dá para levar às arrobas.

Não tenho dúvida que os nossos filhos aprenderam por estes dias muitas coisas. Muitas mais certamente do que num ano inteiro enfiados em salas de aula ou a ouvir-nos ralhar com eles quando insistimos que devem ser assim ou assado ou devem fazer frito ou cozido. Estas experiências enriquecem e enaltecem valores que dificilmente são transmitidos por palavras.


Eu aprendi uma coisa importante: nas ultradistâncias, como na vida, devemos seguir etapa a etapa. Em cada etapa alcançada devemos rever todo o plano e confirmar a linha de continuidade que queremos seguir. Pode dar-se o caso de ser necessário mudar tudo ou apenas fazer pequenos ajustes. Passos curtos e pensados levam-nos mais longe. Ou pelo menos com maior probabilidade levam-nos ao fim.


"Pai, se quiseres desistir dá-me o dorsal que eu continuo..." ou então "Mãe, um dia fazes comigo a OCC?" - estas expressões arrancam-nos sorrisos do rosto mesmo depois de uma noite em branco e um cansaço acumulado que quase não nos deixa responder com entusiasmo. Aliás, foram as palavras deles que me ajudaram a suportar momentos de verdadeira exaustão. Cheguei a dizer: "fod"#$%&, antes fazer uma prova..."

No regresso a casa conversávamos sobre os desafios do próximo ano. Ficámos em silêncio. Uma prova apenas? Repetimos o Tor des Géants mas desta vez com apoio? Fazemos apenas provas de 10km em estrada? Fazemos uma prova apenas algures no outro lado do mundo e aproveitamos e fazemos férias em família? 

Com isto: “fecha-se um ciclo” – as palavras são tuas, não minhas. 

Faça-se o que se fizer será sempre da mesma forma: "põe quanto és no mínimo que fazes" - as palavras não são minhas, são de Ricardo Reis.



Quatro finishers!

25 de agosto de 2017

UTMB'17

Em breve estaremos de volta à semana rainha do trail a nível mundial. Fechar-se-á um ciclo (palavras do Paul Michel). 

Nunca é uma palavra muito forte, mas creio que a semana UTMB não voltará a estar na nossa wish-list. Já fiz de tudo por lá: fiz a prova da minha vida, desisti noutra e agora vou acompanhar/dar apoio. 'Tá feito!

Próxima 6ª feira o Paul Michel estará na linha do partida do UTMB para tentar concluir a prova que há três anos lhe escapa por sorteio.

Chamonix é um lugar mágico. Quem foi lá sabe disso. Para os amantes da corrida de montanha é difícil encontrar outro local com esta magia, com este feeling.

Guardo no meu coração as melhores recordações do meu percurso de "baby runner".

Foram tantas...

Vou dando notícias pela página do facebook do RUN BABY RUN.


Aiguille du Midi 


Para que lado?

Amigo e companheiro de aventura Paulo Soares 

À espera que o Tony das Américas chegasse à meta 

Depois da TDS... Carinha de Calimero... 

Três finishers da TDS (Telmo Dourado, Paul Michel e Paulo Tavares) 

Três finishers a andar de avião (dois divertidos, um amuado)

Da colecção: "Anabela tira fotos com campeões" 

Da colecção: "Anabela tira fotos com campeões"  

Da colecção: "Anabela tira fotos com campeões" - este com saborzinho especial ;) 


Da colecção: "Anabela tira fotos com campeões"  - também gosto muito deste Senhor!

 Da colecção: "Anabela tira fotos com campeões" - O campeão 2016.

E a mais importante...

Anabela Rodrigues du Portugál

(Champion de L'Europe, hã...)

23 de maio de 2017

Estrela Grande Trail: edição "Estava cá um bafo..."

Ir ao Estrela Grande Trail (EGT) foi como ir a casa dos avós fazer aquelas almoçaradas de família ao domingo, onde se reúne toda a gente: avós, tios, primos…

As caras são quase todas conhecidas, o ambiente de amizade e convívio é muito saudável e a vontade de correr em trilhos que já conhecemos é muito grande.

 


Só o Paul Michel é que foi correr a prova dos 109km. Como ia dar-lhe apoio decidimos levar os miúdos e acabámos por fazer um fim de semana em família. Até porque convém que nós, família, também treinemos a dar este apoio porque em Agosto no UTMB a cena repete-se.



Este ano, como já devem ter reparado, decidi fazer uma espécie de ano sabático de provas. Vou a muito poucas (até agora fiz uma prova) mas continuo a treinar. Treino de forma diferente (mais musculação), mas mantenho a corrida duas a três vezes por semana.
Voltando ao EGT e à prova. Do que acompanhei (de Loriga em diante) creio que o Armando Teixeira e a sua equipa conseguiram fazer um percurso do mais duro que a Serra da Estrela tem. Creio que não se esqueceram de nenhum trilho técnico nem de nenhuma subida impiedosa. Havia tudo isto no cardápio do EGT. A juntar o calor extremo que se fez sentir… Foi a queda dos artistas, literalmente. A meio do dia já não se discutia lugares no ranking. Já só se falava se este ou aquele desistiu ou continuou. Em cada abastecimento as baixas eram significativas.



A Serra da Estrela pode ser muito agreste. A Serra da Estrela é montanha à séria. Vi alguns atletas pouco preparados para este evento. Uma prova de 50km na Serra da Estrela não é igual a uma prova de 50km na Serra da Arrábida. Continuamos a ver a “loucura” de alguns atletas em atirarem-se de cabeça para estas provas sem terem consciência do que os espera.

Voltando ao EGT e à prova. Os abastecimentos estavam sempre impecáveis e de boa qualidade. O staff de apoio sempre disponível e simpático para ajudar. A única coisa que não ajudava era mesmo o calor tórrido que teimava em “queimar” atletas a cada abastecimento. Vi que neste prova o staff não está ali apenas a distribuir sólidos ou líquidos. Falavam com os atletas, dirigiam-se a eles pelo nome, perguntavam se estavam bem. Vi inclusive pessoas do staff a encher bidons de água aos atletas, a servir pratos de massa (como se estivéssemos num restaurante), a desatar os atacadores a atletas já em dificuldade... Eu creio que isto é, de facto, muito importante. Existem atletas que não têm apoio, que estão sozinhos (ainda mais mérito têm). Por isso, é sempre importante ajudá-los nalgumas tarefas básicas.

Voltando ao EGT e à prova. O Paul Michel propôs-se fazer esta prova sem objetivos específicos, apenas concluí-la com êxito. E foi isso que aconteceu. Estimava terminá-la perto das duas da manhã mas terminou-a perto das cinco e meia da manhã. Nos últimos 20km disse vários palavrões muito feios, que os filhos não ouviram porque já dormiam dentro do carro, e acabou por arranjar um companheiro de viagem nos últimos 10km.

Curioso é ver que nos últimos quilómetros já ninguém corre sozinho. Ou seja, à medida que a prova avança começa a surgir grupos de atletas. Começam a surgir as amizades da corrida. Pessoas que nunca se viram e que, com o objetivo de terminar, juntam-se para se ajudar mutuamente. É muito engraçado. Nesta prova em particular deu para perceber muito bem que já quase ninguém cortou a meta sozinho (refiro-me à malta do pelotão, claro). É curioso ver com que facilidade as pessoas sentem que precisam de ser ajudadas a continuar, mas ao mesmo tempo também sabem que podem ajudar o outro.

Voltando ao EGT e à prova. O Paul Michel foi um dos resistentes. Demorou 23h a percorrer os 109km.




Um percurso feito em família, numa prova organizada por família.


20 de março de 2017

Finalmente na Corrida das Lezírias


Pela primeira vez fui à célebre Corrida das Lezírias.

É só para avisar a navegação que continuo a correr, dedicada ao meu objectivo, que este ano é não fazer nenhuma prova "grande", apenas treinar, correr e trabalhar corpo e mente.

O blogue obviamente é o reflexo deste ano sabático (chamemos-lhe assim). Está tudo bem e estou de saúde.

Obrigada pela preocupação.

Abraço-vos!



5 de janeiro de 2017

OUT


Encerraram ontem as inscrições para o UTMB. Não entrei no concurso.

Ainda tive dúvidas, mas em consciência decidi que este ano não quero fazer aquela prova. 

Já a fiz. Fi-la muito bem até. Diria que foi talvez a melhor coisinha que fiz até hoje.

Este ano lá estarei mas noutro papel. Vou dar apoio ao Paul Michel que vai fazer as cem milhas.

Este ano vou estabelecer dois desafios em Portugal. Só não sei ainda se serão a correr se serão a trabalhar! Mas sobre isso... A seu tempo.

Boa sorte a todo/as quanto lançaram os dados na roleta russa do UTMB.


29 de dezembro de 2016

2016 foi uma boa colheita


Para 2017 reservo algumas mudanças. Será claramente um ano sabático, sobretudo para o Paul Michel.

Para todos vós, que o ano de 2017 vos traga a concretização dos sonhos, a saúde e a bravura para os alcançar.

Daqui deste lado a luta continua, na estrada e no trilho.