7 de novembro de 2013

Trail Camp com Armando Teixeira (3 Novembro)



E o grande dia chegou! 5h30m da manhã toca o despertador. Ainda era de noite. Já tinha tudo preparado de véspera, ou quase tudo. Esqueci-me de colocar o relógio a carregar, mas ainda tinha metade da bateria por isso estava confiante que a cebola aguentasse o treino! Vamos ver quem é que atira primeiro a toalha ao chão: se eu ou o Garmin!

Quando me inscrevi neste Trail Camp tinha como objectivo fazer os 27km, mas com a indisposição da véspera e por já ter feito os 19km, não sabia se iria conseguir. Tudo dependeria de como me sentisse. Portanto, nesta manhã a minha convicção era clara e simples: vais até onde conseguires. O percurso, na sua totalidade, somava cerca de 40km, mas haveria vários abastecimentos onde estaria sempre uma viatura pronta a recolher os participantes que quisessem dar por terminado o seu treino.

 Prontos para comer quilómetros!

Após o pequeno almoço a habitual foto de família.

O ambiente era descontraído e bem disposto

Damos início ao treino e ainda não se viam raios de sol. O nevoeiro intenso brindava-nos com aqueles ambientes característicos dos filmes épicos. Nós, os cavaleiros andantes, começávamos a desbravar terreno pela Serra da Estrela ao som dos chaps-chaps dos nossos pés nos riachos e ao som rolante das pedras que pontapeávamos.

Ainda neste início, e esta é uma das outras vantagens de um Trail Camp, há colegas (se me permitem que os trate assim!) que nos vão dando conselhos. A mim, por exemplo, quando percorria um terreno com pedra solta, um atleta, creio que o Nelson Graça, me diz: "Anabela, vais muito saltitante, não deves dar tanto impulso a correr, pois vais cansar-te muito mais rapidamente". Eu devia parecer uma salta-pocinhas, mas percebi e entendi muito bem o que ele queria dizer. Este meu "estilo saltitante" deve-se em grande medida à minha pouca experiência em correr em pedra solta. Não me sinto segura neste tipo de terreno, logo a tendência é quase "evitá-lo". Outra chamada de atenção, e esta feita pelo Armando, foi a minha mochila: mal ajustada ao meu corpo. Quando corria a mochila mexia-se. Não é suposto, esta deve fazer parte do nosso corpo como um todo.

O treino foi rolando, com o Armando a liderar, e desta vez a fechar o grupo teríamos o Capitão Cláudio Quelhas que, neste dia, seria apenas Cláudio Quelhas pois despiu a farda e vestiu o seu equipamento de treino. 








O Armando tinha sempre o cuidado de comunicar com a cauda do pelotão, sabendo onde nos encontrávamos e fez vários pontos de reagrupamento para que o grupo não dispersasse demasiado. Tinha-nos dito na véspera que era sua intenção manter o grupo junto até ao quilómetro treze e a partir daí formaria dois grupos: o grupo que faria os 40km e o grupo que faria os 27km ou menos. Não tive qualquer dúvida onde me encaixar.

De qualquer modo, neste dia sentia-me bestial, muito bem disposta e com a sensação de que 'hoje é o dia'!




 
Nuno, a revelação do dia.

De vigia, assegurando que ninguém se perdia

Passados alguns quilómetros tivemos direito a uma surpresa:  atravessar uma fenda. Nunca o tinha feito e digo-vos já que a experiência é fantástica, mas ao mesmo tempo um pouco assustadora. Neste caso concreto, nunca perdemos o contacto visual entre a entrada e a saída, mas quando estamos sensivelmente a meio dá-nos aquela sensação de 'e se agora acontece aqui alguma coisa? Um tremor de terra?'

O caminho era estreito, o que permitia que nos apoiássemos nas paredes e quase no final estava o Armando a dar-nos orientações de onde e como descer: "não saltar, nunca tirar um pé sem apoiar o outro."

Yes, my captain! Here we go!!

 


Aconchegadinha, hein?!

Eu e a Fátima!

O final de fenda

A partir daqui os raios de sol aqueceram-nos um pouco. Hoje sim, as paisagens era absolutamente inspiradoras. Da minha parte continuava a sentir-me bem disposta, sem enjoos à vista e com vontade de continuar. Por vezes, seguiam atrás de mim grandes atletas, mas nunca me senti pressionada por nenhum deles, ninguém nunca me disse: "sai da frente, ó Guedes!"











Manteigas ao acordar





Na dúvida, quando se treina com Miguel Catarino, é sempre para cima!



O grupo dos apressados! Disseram-lhes que havia porco no espeto no próximo abastecimento... :)))

Nestes treinos é sempre possível correr com pessoas diferentes: é assim que vamos falando, conhecendo um pouco de cada um, partilhando as nossas vidas...


Chegados ao primeiro abastecimento o grupo dividiu-se em dois. O Armando alertou para cada um avaliar a sua condição física e decidir em que grupo queria seguir. Pelas suas palavras percebi perfeitamente que a partir dali era a doer! Acabou-se o passeio, minhas meninas! A partir daqui é dar-lhe gás pela serra acima e pela serra abaixo!

Decisões tomadas e lá vamos nós!


O grupo que integrei, o grupo 1, era liderado pelo Miguel Catarino e Cláudio Quelhas, o primeiro à frente o segundo atrás. Poucos metros percorridos e percebi logo que este seria um grupo diferente: mais descontraído,com um ritmo mais moderado (óbvio!!), mas muito mais animado!

O outro grupo, e sem lá ter estado, era um grupo com mais potencial e ritmo, cujo treino seria mais duro e talvez competitivo. O que é de salutar também. Ou seja, era possível fazer um treino duro mas também era possível fazer um treino "menos stressante", como alguém lhe chamou.

A animação do meu grupo também estava garantida com a presença das duas únicas mulheres de todo o grupo (palavras unânimes proferidas por todos os elementos do sexo masculino!!) e, claro, pela presença do Miguel Catarino. Eu diria que o Miguel Catarino foi o elemento galvanizador do grupo: sempre de bom humor, conversou, contou piadas e até cantou!!

Dali fomos em direcção a Manteigas e o grupo 2, seguiu serra acima.

 Grupo 2 a subir

 
Grupo 1 a descer. Cada grupo tem o que merece! :)))

 
Já próximos de chegar a Manteigas, e porque a descer todos os santos ajudam, o grupo correu praticamente sempre junto até ao centro da vila, onde estaria outro ponto de abastecimento.



Julgámos que o abastecimento era aqui...

Como ninguém abriu a porta seguimos para a vila à procura do abastecimento e era ali que se decidia se continuávamos ou não.


Houve tempo para fazer xixi (e não só!!), houve tempo para começar a tirar alguma roupa porque já se fazia sentir algum calor, houve tempo para beber água, houve tempo para conversar e houve tempo para o Miguel Catarino dizer: "neste grupo ninguém desiste, vai tudo até aos 27km".

Ups...

Mas antes disso, o Cláudio Quelhas disse: "estão a ver aquelas antenas lá no alto? É para lá que vamos! Avaliem bem se estão em condições de prosseguir."

Ups...


Ao fim de alguns minutos lá demos com o abastecimento. Eu sentia-me muito bem e capaz de prosseguir. O Nuno, outro elemento do grupo, desde manhã que dizia que aos 13km parava. Não me vou alongar a falar do Nuno, até porque nem lhe pedi permissão para contar a história dele, mas o Nuno é uma pessoa cheia de força de vontade em mudar a sua vida. Consciente das suas capacidades queria ficar nos 13km, mas as palavras do Miguel Catarino tiveram um efeito rastilho e o Nuno pegou fogo! Decidiu-se pelos 27km!

Ou seja, por ordem do "comandante" Miguel Catarino ninguém parava. As suas palavras foram mais ou menos assim: "cada um tem de gerir o esforço para não quebrar, caso quebrem seremos nós, os outros, a carregar-vos. Por isso vejam lá o que é que arranjam ao grupo!"

Ó valha-me Deus!... Agora sim. Olha, como diz o Mister: Siga!!


O Júlio a receber-nos sempre com um sorriso e carregado de comidinha da boa!

E seguimos... Por ali acima.

Grupo 2


Foi aqui que viemos parar... Estão a ver lá em baixo?

E subimos...

...Por vezes com este cenário



Detalhes da organização: a componente cultural associada ao treino. As palavras nunca serão suficientes para agradecer ao Júlio todos os mimos que nos preparou.

A subida de Manteigas às antenas era de aproximadamente 4km. E foi aqui que o meu Garmin faleceu! Puff, morreu! Fiquei danada comigo mesma, mas a culpa era minha que não o carreguei de véspera. Mas, por outro lado, quem não tinha ainda descarregado a bateria era eu! Continuava a sentir-me muito bem e cheia de força para continuar.

Nesta subida o grupo distanciou-se, mas o Miguel Catarino tinha o cuidado de voltar para trás juntamente com outros elementos e rebocava quem estava mais atrás.

Nesta fase, o Miguel Catarino lançou (outro!!) desafio ao grupo (pensei para mim: já não basta ter o desafio de chegar ao fim desta epopeia vem agora o Catarino lançar ainda mais desafios...). Foi assim:

"este grupo não só vai chegar ao Vale do Rossim primeiro que o grupo 2, como vai chegar TODO junto, ouviram?".

Ou seja, o grupo 1 teria de ser mais rápido a fazer 27km, que o grupo 2 a fazer 40km. Hummmm...

Vamos lá embora então... Nos últimos 10km de percurso fomo-nos revezando uns e outros para podermos acompanhar a cauda do nosso grupo. Enquanto uns corriam mais à frente outros estavam cá mais atrás. Depois trocávamos. Foi sempre assim até aos últimos 2km.



A 2km de chegar ao fim do percurso ouvimos nos rádios que os primeiros elementos de grupo 2 estavam quase a alcançar-nos. Ou seja, vem aí a artilharia pesada!

Miguel Catarino, uma vez mais, num tom de voz militar:

"meus amigos e amigas, a partir daqui faca nos dentes! Tudo a correr e só param na meta! Eles não podem chegar à nossa frente! Se algum se aproximar é saltar-lhe às canelas e agarrá-lo! Temos de ser os primeiros a chegar e todos juntos! Vamos lá embora!"


Mais uma vez, o rastilho pegou fogo! Aquilo é que foi dar à perna. Já exaustos e agora em terreno arenoso era preciso correr cerca de 1,5km e com a pressão que a qualquer momento passariam por nós os elementos do grupo 2.

 Não pára! Não pára!
A boa disposição nos últimos metros!


Bom, posso afiançar que ninguém parou. Corremos, corremos, corremos como se não houvesse amanhã. De vez em quando olhávamos para trás para ver se algum dos 'grandes' lá vinha. E corremos, corremos e corremos... Posso garantir também que, e ao contrário do que possam pensar, nesta fase, estávamos todos juntos, contentes, a dizer piadas, a elaborar estratégias de ataque ao grupo 2 caso alguém se aproximasse...

Chegámos finalmente à meta, ao fim de 5h10m, com 27km percorridos e... JUNTOS

 Conseguem ver alguém com má cara???


A epopeia

Depois dos banhos e do majestoso almoço servido no restaurante do Ecoresort ouvimos a última palestra sobre nutrição desportiva e suplementação alimentar. A oradora convidada foi a Enfª Joana Graça que, também ela, direccionou a sua intervenção para o público que tinha à sua frente.

Acima de tudo a sua intervenção pautou-se por apresentar diferentes opções alimentares, tabelas de índices glicémicos e dar alguns conselhos sobre o que ingerir antes e depois de uma prova. Fundamentalmente, nas 48h que antecedem um prova devemos ter o máximo cuidado com a alimentação.

Foram dados imensos conselhos, mas houve um dado curioso que grande parte dos atletas não sabia, incluindo eu: num ponto de abastecimento o que escolher entre banana e melancia? Sabiam que a melancia tem um elevado índice glicémico? Ou seja, se chegarmos exaustos a precisar de um shot de energia devemos optar pela melancia. Se não for esse o caso podemos optar então pela banana que nos dá energia de forma mais lenta e durante mais tempo. Sabiam? Eu não.

Joana Graça


Em resumo, e para terminar, quero deixar claro que a organização deste trail camp esteve irrepreensível, proporcionando a todos os participantes momentos únicos de convívio e treino com grandes referências do trail nacional.

Faço votos que eventos desta natureza se repitam para que mais pessoas possam participar e assim contribuir para a elevação do trail no nosso país. Inspirações não nos falta, o Armando Teixeira, é uma delas. Com trabalho, rigor e treino podemos alcançar os nossos sonhos. Não temos de ser um Armando Teixeira ou um Carlos Sá, podemos ser simplesmente o Rui, o Nuno, o Pedro, o Paulo, a Fátima, o António, a Anabela, o Luís...

Vamos correr por aí, respeitando aquilo que ainda é nosso e não paga imposto. Vamos correr nas serras, vamos levar amigos para o monte, vamos fazer provas que nos empenam durante dois dias, vamos fazer tudo isto respeitando sempre a natureza e respeitando o colega que treina ou compete ao nosso lado.

No Trail Camp do Armando Teixeira aprendi que em montanha...


Ninguém fica para trás...


E porque o dia já ia longo e antes de rumar a Lisboa houve tempo para parar no spot da região. Apresento-vos as sandes de presunto e queijo da serra da D. Judite. Assim que nos viu tirar a foto com o telemóvel, a D. Judite diz-nos: "bão botar no facebook? Ó... Já lá há tantas!..."

Bem haja a si também, D. Judite, por nos acalentar a alma com essa sandes e um copinho de vinho! O que vale é que a minha janela metabólica já estava fechada!! :)))


BCA + Total Whey + Fast Recovery


Bons treinos e até breve num trilho por aí... E já sabem: se se perderem, na dúvida, é sempre para cima!

:)))

24 comentários:

  1. Bem essa sandes é o pecado!!!! :) ehehe
    Adorei ler estes dois dias que tiveste e colocou-me com um bichinho de querer fazer uma coisa dessas no futuro. :)
    E descer uma fenda??!? aiii que brutal!!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anda daí, Marta! No próximo levo-te comigo! ;)
      Beijinhos!

      Eliminar
  2. Bom dia. Relatos emocionantes que li com muita atenção, de um grande fim-de-semana de aprendizagem do Trail num cenário magnífico. Eu, que vivo numa zona de enorme potencial para o trail, mas onde, infelizmente, o trail em provas ou em aprendizagem continua a ser um deserto. Mas fiz, com muito gosto, a dilvulgação deste texto no nosso grupo de corrida, com a esperança que de tanto divulgar, haja alguém que perceba que no Algarve, interessados para o trail é coisa que não falta. Parabéns.
    "Corridas à 6ª Feira"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada!
      Quem sabe se um dia estes género de iniciativas não pode percorrer mais zonas deste nosso país. O Algarve sem dúvida que sim, tem potencial para o trail.
      Oxalá em breve possam os algarvios beneficiar dum evento assim!
      Bons treinos!

      Eliminar
  3. Olá Anabela,
    Remataste a crónica c/ o "Whey protein" de manteigas e eu deliciei-me com o relato :)
    Parabéns novamente.
    V.F.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tanto ouvimos falar daquele "suplemento" alimentar que não resistimos em ir prová-lo!
      Obrigada Victor!
      Beijinhos e abraços!

      Eliminar
  4. Que inveja! (saudável :))
    E as fotos...que paisagens...
    Deve ter sido mais do que bom..
    Bjs e continuação de bons treinos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada! E agora vou ser mázinha: foi mesmo boooommmm!! :))
      Beijinhos e boa recuperação!

      Eliminar
  5. Muitos parabéns pela escrita aliciante, a descrição promenorizada e a revelação de que apesar do cansaço e da má-disposição inicial, houve sempre atenção a tudo! Adorei o pormenor final da janela metabólica ;) assim dá gosto partilhar conhecimentos! Muitas felicidades!! Joana Graça

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Joana, acredite que estive super-atenta à sua exposição. Na teoria sou uma óptima aluna, mas depois na prática não resisto aos petiscos, como aquela sandes de presunto.
      Gostei muito de ouvi-lá, achei a sua exposição muito bem estruturada e muito bem dirigida ao público ali presente.
      Muito obrigada pelas suas palavras e felicidades para a sua vida profissional!

      Eliminar
  6. Brutal!! Ai que inveja (no bom sentido, claro!). Realmente este tipo de relatos deixa-nos cá com uma vontade de querer experimentar também... Eu qdo vou correr para o parque e respiro o arzinho (semi) puro já fico toda feliz... nem imagino aí. E o convívio entre os participantes.... Enfim, para o próximo gostava de acrescentar mais um número na população feminina do evento.
    Ah, obrigada pelas dicas que colocaste... vê-se mesmo que és uma aluna Nota 20!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tal como disse no comentário de cima, Inês, sou uma aluna nota 20 na teoria, mas depois na prática... Ups... Cometo imensos pecados da gula!! ;)
      Nós que moramos nas cidades devemos aproveitar ao máximo estas oportunidades. Treinar naquele ambiente, em plena natureza selvagem, é um luxo ao qual ainda me vou dando... Quem conseguir fazer o mesmo... É de aproveitar!
      Beijinhos grandes para ti!

      Eliminar
  7. Pronto..amuei... buaahhhhhhh....que lindas paisagens, que inveja...
    Deve ter sido tão espectacular....e olha, muitos parabéns...fazer 19km num dia, e no dia seguinte de manhã mais 27km não é assim para qualquer um.
    Um dia destes sou eu que vou a um Trail Camp destes...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu avisei!!! Tive um 'feeling' que isto seria um evento imperdível.
      Mas deixa lá, a tua prestação na Maratona do Porto compensou... ;)

      Eliminar
  8. Fotos maravilhosas!!!
    Obrigado por este relato.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Victor!
      Bons treinos e até breve! ;)

      Eliminar
  9. Que inveja tenho de não ter estado para desfrutar desse treino...Absolutamente lindo o teu relato fotográfico e escrito...Estou em preparação para o trail de Ferreira do Zêzere que está aí á porta...
    Bons Klm's

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Carlos! Esse trail de Ferreira do Zêzere deve ser muito bonito, a zona presta-se a esse tipo de provas!
      Boa prova e desfruta!

      Eliminar
  10. Muito obrigado por me dares o prazer de reviver um fds fantástico.Foi mesmo assim . Não falhou nada, todos os pormenores estão lá. BRUTAL!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O prazer é meu, Nuno! Tal como foi um enorme prazer conhecer-te e partilhar contigo esta experiência! Venha a próxima que estamos lá, certo?
      Beijinhos e força nesses treinos!

      Eliminar
  11. Não conhecia o blog, fiquei fã! E quanto ao Trail Camp, já é o segundo que quero fazer e acabo por não me inscrever, por ter provas no calendário.
    Parabéns pelo desempenho e pelo texto! Cativante!
    Obrigado pela partilha!
    Paulo Sousa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada Paulo! Recomendo que, quando possa, participe. Enriquece-nos muito aprender com quem sabe e aprender com quem simplesmente corre.
      Acredite que vim de lá com uma mão cheia de amigos e que muito me ensinaram, uns mais outros menos, claro, mas quase todos deram um contributo para que eu tenha subido mais um degrau.
      Abraço! E bons treinos!

      Eliminar
  12. Tipo....UAU!!!! =)
    Adorei ler o relato! Está fabuloso e as fotos...bem...escusavas de nos fazer tanta inveja com paisagens espectaculares e tanta comidinha da boa...mas pronto...estás desculpada =P
    Excelente Anabela!
    Beijinhos e boas corridas por esse Portugal fora.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É para ver se vos seduzo, se não é pelas paisagens que seja pelas comidas!
      O Carlos Cardoso mordeu o isco! ;)
      Beijinhos Isa e bons treinos!

      Eliminar