21 de setembro de 2017

Ultra Trail de Mont Blanc 2017



Foi toda uma aventura à volta do Monte Branco.



Era impensável imaginar o que passámos, tudo o que vivemos. As alegrias e as angústias, abastecimento após abastecimento, sempre à espera e curiosos de ver a expressão do Paul Michel. Seria a expressão do desalento? Seria a expressão de quem trazia a faca nos dentes? A primeira coisa que fazia era fitar-lhe o olhar. Já o conheço. E digo para mim: “ele já vem com aquele olhar…” Os miúdos ficavam nervosos e estavam sempre a pressioná-lo para correr. No seu pequeno imaginário ainda lhes passava pela cabeça que o pai até pode vir a chegar à meta numa posição da frente. Mas a meio da prova perceberam, mesmo a sério, que a grande motivação do pai e dos outros era chegar ao fim.



Dois dias e duas noites de carro atrás do rasto. Atrás do rasto de um homem que em Novembro de 2012 decidiu que teria de mudar a sua vida. Deixar para trás 103kg, comprimidos para a tensão arterial e colesterol e tentar correr, pelo menos, ao ritmo da mulher. Meu Deus!! Como tu eras… Pensar que não me acompanhavas a correr…


Desde 2012 que te sigo o rasto. Escrevo sobre ti, (agora!!) corro atrás de ti e ultimamente dou-te apoio em provas. Carregada de saco ao ombro já conhecem “a menina do saco da Grivel,  lá vem ela com quilos de material ao ombro e um filho de cada lado”.


Levas sempre tudo. Levas sempre o saco carregado com tudo em excesso e a dobrar. Tal e qual o nosso coração: vai sempre cheio e a transbordar. Em cada abastecimento também abrimos o nosso coração e tiramos de lá (não géis, nem barras, nem Rehidrat), mas sim motivação e força. Tudo isto também levamos em excesso. A vantagem é que não pesa nem ocupa espaço. Dá para levar às arrobas.

Não tenho dúvida que os nossos filhos aprenderam por estes dias muitas coisas. Muitas mais certamente do que num ano inteiro enfiados em salas de aula ou a ouvir-nos ralhar com eles quando insistimos que devem ser assim ou assado ou devem fazer frito ou cozido. Estas experiências enriquecem e enaltecem valores que dificilmente são transmitidos por palavras.


Eu aprendi uma coisa importante: nas ultradistâncias, como na vida, devemos seguir etapa a etapa. Em cada etapa alcançada devemos rever todo o plano e confirmar a linha de continuidade que queremos seguir. Pode dar-se o caso de ser necessário mudar tudo ou apenas fazer pequenos ajustes. Passos curtos e pensados levam-nos mais longe. Ou pelo menos com maior probabilidade levam-nos ao fim.


"Pai, se quiseres desistir dá-me o dorsal que eu continuo..." ou então "Mãe, um dia fazes comigo a OCC?" - estas expressões arrancam-nos sorrisos do rosto mesmo depois de uma noite em branco e um cansaço acumulado que quase não nos deixa responder com entusiasmo. Aliás, foram as palavras deles que me ajudaram a suportar momentos de verdadeira exaustão. Cheguei a dizer: "fod"#$%&, antes fazer uma prova..."

No regresso a casa conversávamos sobre os desafios do próximo ano. Ficámos em silêncio. Uma prova apenas? Repetimos o Tor des Géants mas desta vez com apoio? Fazemos apenas provas de 10km em estrada? Fazemos uma prova apenas algures no outro lado do mundo e aproveitamos e fazemos férias em família? 

Com isto: “fecha-se um ciclo” – as palavras são tuas, não minhas. 

Faça-se o que se fizer será sempre da mesma forma: "põe quanto és no mínimo que fazes" - as palavras não são minhas, são de Ricardo Reis.



Quatro finishers!

19 comentários:

  1. Aplaudo de pé este texto tão sentidamente bem escrito!

    Trechos que emocionam, outros que nos colocam um sorriso ("Mãe, um dia fazes comigo a OCC?" ou "fod"#$%&, antes fazer uma prova...") e outros que fazem rir (Pensar que não me acompanhavas a correr…).

    Beijinhos e abraços a 4 heróis do Monte Branco, que são uma verdadeira inspiração e orgulho!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Volto a dizer: e pensar que muito disto começou porque um dia li o blogue do João Lima.
      Aquele forte e sentido abraço...

      Eliminar
    2. O que é que esse malandro desse blogue faz... :)

      Eliminar
  2. Texto muito bonito, Anabela.
    Sem dúvida, estes são os momentos que ficam, os vividos.
    Que o próximo ciclo seja igualmente bom e intenso, independentemente de qual seja o rumo seguido.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada querida Rute!
      Esperamos que sim, pelo menos daremos o melhor de nós no pouco ou muito que fizermos (como diz o poeta).
      Beijinhos

      Eliminar
  3. Muito bom, bonito, motivador e acima de tudo, é uma texto que faz ficar feliz por vocês e mas que também faz pensar.

    No que fazem, como fazem, porque fazem(emos...).

    beijinhos e abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Questiono-me tantas vezes. Talvez até demais...
      Por isso neste ano de 2017 decidi fazer um ano sabático.
      Beijinhos JNR

      Eliminar
  4. Muito intenso e genuíno... Dá que pensar! Beijos

    ResponderEliminar
  5. Lições de vida, de superação, de união,de amor ao esporte!!!
    Belo texto,Ana,emocionante!!!
    Abraços.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grande abraço, Jorge! E para a Samina também, claro.

      Eliminar
  6. Vocês são maravilhosos! Enormes!
    Uma pessoa fica toda arrepiada ao ver esta família, assim, unida! É tão bonito, porra!!! :D

    Tenho a certeza de que para eles, vocês os dois são uns heróis! Essa logística toda... faço-vos uma vénia!!! Bravo!
    Que continuem assim, nos montes ou na estrada, o que interessa é que continuem a seguir juntos e fortes!

    Obrigado por partilharem ... convosco também muito aprendemos!
    Um exemplo a seguir sem dúvida.

    E obrigado por me fazerem acreditar que afinal o Mundo não está totalmente louco, ainda existe pessoas maravilhosas capazes de fazer coisas de cortar a respiração.

    Gosto muito de vocês e ó que já tenho saudades

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E esqueci-me de dizer!!!
      Deviam emoldurar essa última foto ... assim bem grande!! :D

      Eliminar
    2. Muito obrigada pelas doces palavras, Piolha!
      Mas por detrás disto nem sempre tudo são rosas. Aliás, eu diria que quase sempre são espinhos. A rosa só mesmo na meta...

      Beijinho muito grande

      Eliminar