5 de junho de 2013

Mas como é que começaste a correr?

Às vezes, algumas amigas, perguntam-me: mas como é que começaste a correr? Não vou fazer aqui uma espécie de Manual do Iniciado, mas há dicas e conselhos que posso, e devo, partilhar e que podem ser úteis. 

Qualquer pessoa que se queira iniciar numa actividade física deve saber se está em condições para tal. Nada como ir a um médico fazer aquela consulta de rotina que há dez anos não fazemos e aproveitar para dizer ao doutor: “Preciso de ajuda, queria começar a correr”. Não vai acontecer nada de especial, o Sr. Doutor vai passar-vos alguns exames/análises de rotina para depois vos dizer: "está tudo bem! Siga!"

Dar início à prática de corrida, caso não seja realizada da maneira correta, pode não ter como consequência o desejado. A corrida é uma prática de impacto, portanto atenção à coluna, joelhos e articulações. Quem tenha problemas destes tem mesmo que ir ao médico e avaliar se a corrida é o mais indicado. Possivelmente não.

Depois surgem as dúvidas, sobretudo entre as mulheres. Tenho forma de conciliar a minha vida familiar e profissional com a minha (nova) vida desportiva? TENHO! Aqui começam a surgir as desculpas: vou a que horas? De manhã não dá tempo e está frio. Ao fim do dia saio tarde e está vento. Na hora de almoço não dá jeito porque depois não tenho tempo para lavar e secar o cabelo.

Ora bem, para começar é preciso muita força de vontade e alterar alguma rotina diária. Nesta fase inicial é preciso ser mesmo disciplinada. Só nos podemos dar ao luxo de “saltar” um treino quando a corrida já é um vício. Se no início começamos a falhar… Acabamos por desistir. Imponham uma rotina semanal. Para começar três vezes por semana, por exemplo. Eu fiz assim: terças, quintas e depois ou sábado ou domingo (dependendo dos compromissos familiares).

A melhor altura do ano para começar este “programa de iniciados” é a primavera. Se começam no outono/inverno à primeira chuvada ou vendaval desistem. Além disso, na primavera os parques, ruas estão repletos de pessoas a correr, caminhar… É mais motivador. Vão olhar para elas e vão identificar-se com esse estilo de vida saudável.

Outra coisa que recomendo é, para quem nunca correu, não comece logo a correr. Sugiro, tal como fiz, caminhada rápida. Isto ajudará a aquecer as vossas articulações, tendões, músculos. A pouco e pouco vão sentir o corpo a pedir mais: ou mais tempo de caminhada ou mais rápido. Após alguns meses as minhas caminhadas chegaram a durar duas horas! Mas 40 minutos já é muito bom para começar. Assim, fazem uma adaptação progressiva e sem traumas. Se começam logo a correr no dia a seguir não se levantam da cama. E desistem! Porque tem dói-dói…

Mais tarde, e para dar resposta ao "o corpo está a pedir mais" comecei a intercalar a caminhada com a corrida. Por exemplo, caminhava cinco minutos, corria dois minutos e assim sucessivamente. Aos pouco fui invertendo a tendência: aumentei o tempo de corrida e diminuí o tempo de caminhada.

Até ao dia! Em que corri sem parar trinta minutos!! Nesse dia, confesso, senti-me uma corredora top! Já não sou uma papa-açorda, já corro, caraças! E por aí em diante...

Atenção: o nosso corpo dá-nos sinais e é preciso saber interpretá-los! Não sobrecarreguem o vosso corpo no início, nem em tempo nem em carga. O que é que eu quero dizer com isto: não é para correr uma hora nem para correr muito rápido, ao ponto de ficarem ofegantes! Respeitem o vosso corpo, evoluam gradualmente. DEVAGAR!

Aqui não há milagres, é como nas dietas! Não se tornam corredoras ou corredores em dois meses! Façam disto um estilo de vida e para a vida.
E se é para toda a vida, não há pressas porque todos temos uma vida longa! Saltar etapas pode significar lesões.
Além disso, quem quer atingir objectivos em pouco tempo vai dar-se mal. Porque aqui, repito, não há milagres: não vão conseguir atingi-los e depois acabam por desistir.

Aqui a regra é a da tartaruga: devagar devagarinho se chega muito longe! E vocês vão chegar lá!

Eu cheguei!

E para finalizar, há outros truques que ajudam. Já sabem, não é? Uns ténis novos, uma t-shirt a condizer, uma fitinha para o cabelo… Tudo factores motivacionais! Ah, a mim a música ajudou-me imenso. As longas caminhas, quando feitas sem companhia, podem tornar-se aborrecidas. Levem música.




Boas caminhadas!

19 comentários:

  1. Fantástico, não alterava nem uma vírgula...eu apenas dispenso a fitinha no cabelo :D
    Beijinhos e boas corridas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito que a fitinha não faça o teu género!... :)

      Beijinho e rápida recuperação!

      Eliminar
  2. A minha iniciação nestas lides foi um pouco (muito) diferente! Não sei se é dos ventos do norte, mas o pessoal por aqui faz o ritual dando grandes malhas no mais incauto atleta. Eu, por exemplo, estava um dia à porta do ginásio, adiantada, à espera da aula de cycling, quando um casal amigo me desafia para uma "corridinha de aquecimento". "Nunca corri", respondi, "mas ser for soft, alinho".
    Eis-me passado trinta minutos, com os "bofes" completamente de fora. Mais tarde, bem mais tarde, voltei a fazer o mesmo percurso e contabilizei quatro quilómetros! Feitos em 30 minutos na minha estreia absoluta!
    Durante uma semana não me mexi, doía-me tudo, até as pálpebras. Nem colo consegui dar às minhas filhas... Enfim, uma desgraça.
    A verdade é que o "bicho pegou" e, desde aí, nunca mais parei.
    A música é uma companhia imprescindível, mas uma boa corrida já não é a mesma sem ser monitorizada. Uso o runtastic e é espetacular chegar ao fim e ver somados os quilómetros corridos, analisar os gráficos de desempenho, cardio-frequências, etc.
    Por isso, uns vão da passadeira para a rua, outros da marcha para a corrida e eu fui mesmo da porta do ginásio!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelo testemunho, Inês! A malta do norte tem outra fibra! :)
      Falas de um assunto importante, que mais tarde também falarei: a monitorização da corrida. Sem dúvida muito importante. Não quis estar já a falar disso para não "assustar" o/as principiantes. Eu própria andei cerca de um ano a correr sem saber a minha frequência cardíaca, mas é um erro, de facto. O resultado foi não ter tido nenhuma evolução nesse período.

      Beijinhos e bons treinos, seja lá onde for... Ginásio, rua, bicicleta...

      Eliminar
  3. Excelente texto e sem dúvida uma bela ajuda para quem começa!! (Tal como eu :) ) Até porque indo devagar atingindo os nossos objectivos, o sabor da vitória é ainda maior :D
    Beijinhos e boas corridas :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Marta! Mas tu já estás um passo à frente! Esta parte inicial já a passaste, creio. O "bichinho" já te mordeu, agora é consolidares esses treinos e não tarda nada... Estás lá!

      Beijinhos e bons treinos!

      Eliminar
    2. Sim sem dúvida, essa parte inicial já ficou para trás!!! :D Agora é sempre a subir!! :P
      Beijinhos

      Eliminar
  4. Bons conselhos! Eu não dispensava a fitinha na cabeça, como transpiro muito o suor escorre para os olhos e depois arde-me como o caraças! Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, a fita é muito cómoda nesse aspecto. Há quem pense que quem a usa o faz pelo estilo, mas não é nada disso. A mim ainda me ajuda noutra coisa: não deixa que os cabelos venham para o rosto, coisa que me irrita bastante.
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Excelente manual de iniciação!
    E estou com o Sílvio por causa do suor nos olhos. A diferença é que uso chapéu apertado que faz o mesmo efeito, apesar de nas corridas nocturnas poderem pensar que posso ser tótó por estar com chapéu. Mas também já usei fita.

    Beijinhos e boa continuação de excelentes corridas sempre em prazer

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. João, estou contigo: eu corro sempre de chapéu. No passado até quando corria de noite usava chapéu (e por vezes também vi alguns olhares reprovadores de como quem diz: "esta é mesmo tótó... Está cá um sol para andar de chapéu!!")

      Recentemente adoptei o uso da fita! Mas o chapéu é um grande aliado para o suor e para os cabelos.

      Beijinhos e boas corridas!

      Eliminar
  6. Concordo com grande parte do seu texto,incluiria um fator que considero de grande importância:uma assessoria esportiva.
    Hoje temos planilhas para 10km, meia maratona, maratona, etc..publicadas em revistas,mas nada substitui um profissional da área.
    Bons treinos!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, Jorge, tem toda a razão. Nada como ter alguém (treinador, professor) que nos possa ajudar. É verdade. Hoje em dia podemos seguir muitos planos de treino da Internet, mas nem tudo se adequa a todos. Ter alguém que nos aconselha é uma mais-valia muito importante.
      Eu própria arranjei o meu "assessor"!

      Bons treinos e um abraço!

      Eliminar
  7. Excelente texto. Posso partilhá-lo?
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tigas, claro! Obrigada!
      Beijinhos!

      Eliminar
    2. Está partilhado no meu FB e no grupo "Correr por Nós" https://www.facebook.com/groups/330806116979983/

      Beijinhos

      Eliminar
    3. É uma honra ser referenciada nesse grupo. E entretanto já me "amiguei"! ;)

      Obrigada, mais uma vez, e bons treinos!

      Eliminar
  8. Amiga, que texto "impecábel"! Adorei! Serve de inspiração para começar a correr! Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens duas semanas para começar, menina Joana!

      Eliminar