15 de abril de 2014

Marathon des Sables - o dia da última etapa e da minha chegada

Depois da brilhante etapa dos 81,5km e depois de várias pessoas partilharem e comentarem o vídeo da chegada do Paul Michel já era perto da uma da manhã quando me fui deitar, muito feliz por sinal, pois no dia seguinte apanharia avião para Marrocos rumo à meta da MDS para fazer uma surpresa ao Paul Michel. 

Desde janeiro que andei a preparar esta surpresa. Os contactos com a organização não foram fáceis, pois nunca me respondiam.  Até que me lembrei de uma conversa com o JoãoLima na corrida do Monge. Ele disse-nos que conhecia o único português que fazia parte da organização: Mário Machado. Caso precisássemos de contactá-lo estaríamos à vontade. Arrisquei. E foi o Mário Machado quem me deu os contactos (nome e email direto) da pessoa da organização a quem eu deveria colocar todas as questões. Depois disto tudo foi mais fácil. 

E consegui! Em Março tinha tudo organizado e planeado para estar 6ª feira, dia da última etapa, à espera dele. 

Quinta-feira foi o dia de descanso após a maior e decisiva etapa dos 81,5km e nesse dia eu estaria a voar Lisboa-Casablanca-Ouarzazate. Cheguei às duas da manhã ao hotel, em Ouarzazate, e levantei-me às cinco da manhã (dormi duas horas, nessa noite a ansiedade não me deixava adormecer). A viagem de Ouarzazate até ao deserto era de quatro horas de jipe. Por isso tivemos de nos levantar muito cedo. E cedo o grupo, de aproximadamente 50 pessoas (entre patrocinadores e familiares) se reuniu e logo ali começámos a conversar uns com os outros. A viagem até ao deserto não me pareceu assim tão longa. Aquelas quatro horas significaram talvez duas. A vontade de chegar era muita.
 

 Os nossos jipes
 
 
 

 Não é uma Yamaha nem uma Kawasaki

O Areias a fazer gracinhas. Este bicho bebe pela garrafa. 

 
Passámos por povoações onde o cenário típico de probreza e miséria faziam com que não nos apetecesse sair do carro.
 
 
 

 
 
 
Quase a chegar ao CP3 entramos num trilho e aí sim: sentimos que fazíamos uma prova de todo-terreno. Além disso, o nosso motorista era daqueles que adorava a sua profissão. Leva-a muito a sério e com grande empenho. Aquilo era prego a fundo a toda a hora. Neste trilho avistamos os primeiros atletas. Ficámos excitadíssimos e sempre a tentar perceber se era algum dos nossos familiares ou amigos.
 

 





 
 
O programa previa uma passagem rápida no CP3, o último controlo da última etapa. Assim que lá chegámos quem é que eu vejo? Um português. Mas não era um atleta. Era precisamente Mário Machado. Podia estar em qualquer CP, mas por sorte foi logo estar naquele. Percebo que ele tenta avistar-me. Mas nesse momento chegavam vários atletas e ele tinha de estar concentrado a registá-los. Mas tudo muda quando abano a bandeira portuguesa! Entrega o controlo a quem lá estava e vem em minha direção (eu acho que vocês percebem o que é para um qualquer português estar longe de casa por vários dias e ver a sua bandeira…). Dá-me um abraço muito rápido, ou melhor eu abraço-o porque ele só me diz: “não me abrace que eu estou muito sujo!” Mas quem é que se importa com isso? Venham de lá esses ossos! Cumprimenta-me, trocamos duas ou três palavras e rapidamente volta ao seu posto de controlo.
 
 

Mário Machado
 
Neste entretanto, estão sempre as passar atletas. Como esta última etapa teve duas partidas diferentes (o TOP 50 saiu 1h30m mais tarde) os atletas começam a chegar misturados. E eis senão quando quem vem lá??? O Carlos Sá! Fico tão nervosa que nem consigo fotografá-lo. Só consegui gritar por ele - histérica - abanar a bandeira e ele apenas olhou para mim com cara de bicho selvagem. Não sorriu nem esboçou qualquer expressão. Impressionou-me a concentração dele. Nem uma ruga de felicidade nem tristeza por me ver. Ou melhor, foi como se não me tivesse visto. Olhou para mim como se tivesse olhado para uma pedra. E saiu a correr. A correr muito. Muito mesmo.

Começa o meu coração a bater mais rápido. Começam os outros elementos do grupo a encontrar os seus familiares e gera-se ali uma onde de emoção muito forte. Choravam os atletas que viam os seus familiares, chorávamos nós que os víamos a chorar… Uma emoção muito grande ver estes reencontros. E eu a pensar quando é que seria o meu momento. Tinha planeado esconder-me quando o Paul Michel passasse, pois queria apenas que ele me visse na meta.

Depois do Sá vi passar muitos atletas de elite: os marroquinos, Marco Olmo, a Lawrence Klein (a atleta feminina que costuma ganhar a prova) e muitos outros. Nem vinte minutos tinham passado quando aparece o Carlos Coelho. Aqui sim, já houve festa! Abanei a bandeira, gritei por ele e ele veio na minha direção e sorriu-me. Desejei-lhe a maior força e disse-lhe que iria estar na meta à espera deles.
 
Carlos Coelho
 

 O marroquino que ganhou este ano.


 O marroquino que ganhou o ano passado
 
Tenho ainda tempo para lhe perguntar: “o Paul Michel vem atrás, não é?” – NÃO! JÁ PASSOU!

Neste momento desaba sobre mim o mundo. Então ele já tinha passado? Não é possível. Ele não estava a correr assim tão rápido... As médias dele não permitiam que ele já tivesse passado naquele controlo. O que é que faço? Ele já passou e eu estou aqui?… Gera-se em mim uma fúria e um misto de frustração e começo aos gritos à procura do marroquino responsável pelo nosso grupo. Encontro-o ao fim de dez minutos e começo a implorar-lhe que me leve à meta. Ele diz-me que não é possível, que só podemos ir quando o grupo seguir todo junto. Começo a chorar e aos gritos. Digo-lhe que paguei para esperar o meu marido na meta e não para estar num controlo a ver os outros passar!

Agarro-me a ele (com alguma violência, até) e começo a gritar-lhe e a oferecer-lhe dinheiro para ele me levar à meta. Neste momento tudo muda! Diz-me que me levava mas que teria de arranjar mais três pessoas do grupo para ir comigo, pois o jipe teria de ir cheio, caso contrário depois não teria lugares para levar todas as pessoas até à meta. Lembrei-me de duas francesas e uma inglesa que tinham visto os seus familiares a passar no CP3. Perguntei-lhes se queriam vir comigo e disseram logo que sim.

Vou a correr para o marroquino e digo-lhe que já tenho as três pessoas para encher o jipe. Ele diz-me que vai chamar o motorista para nos levar. O motorista tinha desaparecido. Eu começo à procura do marroquino. O marroquino continua à procura do motorista. Começo a gritar-lhe desesperada a implorar para me tirar dali. Olho para a francesa e peço-lhe um cigarro. Fumo um cigarro. Continuo à procura do marroquino e do motorista. Outro marroquino pergunta-me se não quero ir à tenda almoçar. Mando-o à merda (em português)! Começo a falar em português e a disparar as piores palavras que nem sequer constam do nosso dicionário. A francesa tentava acalmar-me. Aparece o marroquino e logo de seguida o motorista. Entramos no carro. Digo-lhe que lhe dou 100 dirham se ele conduzir rápido mas em segurança. O percurso até à meta era de vinte minutos. Ligo para o Mister e pergunto-lhe a que horas ele tinha passado no CP3 (para fazer contas e tentar perceber se ainda teria tempo de o apanhar a chegar) e ele responde-me: “o teu homem já chegou à meta…” Aqui é que o mundo desabou.

Fico emocionalmente descontrolada. Todos me tentam acalmar. O motorista para o carro sem perceber o que se estava a passar. Grito-lhe outra vez para continuar a conduzir sem parar. Cinco minutos depois chego ao Bivouac. Corro para junto da zona da meta. Olho e não vejo nada. Vejo tanta gente e não vejo ninguém. Começo a gritar por ele. Não oiço resposta. Corro para junto da organização e pergunto onde estão os atletas que já terminaram. Indicam-me a tenda (era uma tenda onde os atletas podiam repousar e estar com os convidados, imprensa, patrocinadores, familiares). Entro lá e só vejo o Carlos Sá sentado a relaxar. Desta vez era eu que devia estar com olhar de bicho. Agarrei-me a ele, mas nem lhe dei os parabéns. Só lhe perguntei: o Paulo? E ele responde-me: já foi para a tenda, mas tem cuidado que não podes ir lá e a organização é muito rígida. Não arrisques.

Disse-lhe: vai lá chamá-lo. Diz-lhe para vir aqui. Diz-lhe que a organização está a chamá-lo. Agora, à distância sei que pedi quase o impossível ao Sá. Ele tinha acabado de fazer uma etapa fantástica, muito dura, estava ali a descansar, sentado e a hidratar… E eu peço-lhe para se levantar para ir chamá-lo e rápido!! Ele nem me respondeu. Sorriu, sem me dizer anda, levantou-se, pegou nas coisas dele e foi. Muito devagarinho, a andar, foi.

Enquanto esperava olhava para quem já tinha terminado. Olhava para os pés.

 


 
 
 
Levei para esta aventura um boné diferente, óculos de sol diferentes e um lenço na cabeça para que ele não me reconhecesse com tanta facilidade. Não esperei sequer três minutos quando o vejo ao longe com a bandeira portuguesa atada à cintura. Tiro a minha bandeira e levanto os braços. Ele para e fica a olhar uns breves segundos. Percebe que sou eu e nesse momento começamos a correr na direção um do outro.

E agora? O que é que querem que eu vos conte mais? Foi o reencontro que acho que também podem imaginar…

O Paulo chorou com um misto de felicidade, alegria, conquista, mas ao mesmo tempo queixume. Não foi SÓ um chorar de alegria. Foi também um chorar de alguém muito sofrido. De um sofrimento que depois se traduz na maior das alegrias. Parece paradoxal mas quem corre sabe do que falo. Como é que alguém que sofreu tanto, pode estar tão feliz?

PODE! PODE MESMO!
 
E se a felicidade tivesse um nome próprio, nesse dia era Paulo Reis, dorsal 1113.










A última etapa do Paulo foi alucinante, ficou em 90º lugar da geral. Foi o tudo por tudo. Naquele dia, acordou de manhã e esqueceu tudo: as dores, a fome (muita fome!) e o cansaço. Foi faca nos dentes e SIGA até à meta.

Perguntou-me pelos filhos e disse-me que a sua maior motivação era a chegada aos CP. Quando lá chegava pensava: ela já sabe que cheguei aqui, já não vai ficar preocupada. E assim sucessivamente até à meta onde mandava sempre três beijinhos.

Foi um resto de dia de muitas emoções. Falou-me da importância das mensagens que recebeu. Disse-me que tem mensagens inesquecíveis. Guardou-as todas.

Mostrou-me os seus pés como um veterano de guerra orgulhosamente mostra as suas cicatrizes das balas. Tinha várias bolhas, todas elas rebentadas e que agora estavam em ferida. Ainda assim, para o que vi por lá, acho que os pés dele até estavam muito bem.

À noite foram entregues os prémios pelas diversas categorias. E lá estava a nossa bandeira tão bem representada! Junto de um atleta que nos orgulha e que merece a nossa admiração. Melhor europeu em prova! 4º lugar da geral.
 





Para terminar fomos brindados com um concerto da Filarmónica de Paris. Que não vimos nem  ouvimos. Todos estavam exaustos. Todos foram dormir. Inclusive eu. Parecia que tinha levado uma tareia.

Amanhã é dia de fazer a última e derradeira etapa. Não cronometrada mas obrigatória: a etapa de 7,7km pela UNICEF. Amanhã teremos mais tempo para conversar e saber como foi cada etapa. Hoje o dia é para viver o momento e falar pouco. Mas amanhã quero saber tudo! Como te sentiste? Foi mais difícil do que esperavas? O que é que te marcou mais?


Até amanhã…


Momentos do dia: 6ª feira, 11 abril @ MDS
 
 
 
 O meu disfarce
 
 
 CP3 da última etapa
 
 
 
 
 
 Grande Pedro Gonçalves!
 
 
O medalha de prata: o do lado direito, portanto... :) 
 
 
 Improvisam-se polainas.
 
Grande João Colaço 
 
 
 
 
 
 O meu bivouac
 
 
O meu WC 
 
A minha companheira de tenda
 
 Chá, café, laranjada?
 
 Não. Pode ser uma cerveja fresquinha!
 
Qualquer lugar é lugar de culto.
 
Zona de lava e cura pés
 
 Sempre a fazer charme às garotas...
 
 
 
 
 
Hora do banho. Fofinhos :)))

34 comentários:

  1. Que grande aventura! Quase ouvi os gritos para o motorista...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :))) Até fiquei rouca...
      Beijinhos Marília

      Eliminar
  2. Li e reli, e ESTOU SEM PALAVRAS!!!

    GRANDE PROVA, DIGNA DE UM VERDADEIRO CAMPEÃO.

    P.S. : Ainda que não tenhas conseguido chegar à meta a tempo de o ver (estava a ler o texto e só me apetecia agarrar o marroquino pelos colarinhos, pela gola, eu sei lá...) tenho a certeza que para o Paul isso não interessou, pois a surpresa de te ver no final da etapa foi igualmente boa, e acredito que teve o mesmo efeito ou até mais.

    É bem verdade que por detrás de um GRANDE homem existe sempre uma GRANDE mulher.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não te preocupes Fernando, que o marroquino chegou a dizer-me no dia seguinte "mulher portuguesa muito calorosa"!!! A dada altura acho que ele chegou mesmo a pensar que eu chegaria a vias de facto... Até eu... ;)
      Muito obrigada pelo teu apoio e presença! Não esqueceremos várias pessoas que estiveram tão próximas de nós nesta aventura.
      Beijinhos

      Eliminar
  3. Uhauuuu impressionante. Que relato emocionante. :) Esta vitória também é tua. Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu diria que tenho um quota de 10%, vá...
      Obrigada e beijinhos

      Eliminar
  4. Oh Anabela...que lindo! Que lindas fotos! A história! Tudo!!! Olha, li verdadeiramente de forma apaixonada este teu relato final! Bonito! Lindo! Quase me vieram as lágrimas aos olhos. Pela história, por TUDO!

    Um grande breijinhos e muitos Parabéns ao Paulo! E tu, uma companheira à altura!!!

    ADOREI ler. Obrigada! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Ana, nunca imaginei que esta história tomasse estas proporções junto de amigos e conhecidos. As pessoas acreditaram nele, etapa a etapa, e isso revelou-se à medida que ele foi fazendo a prova. As mensagens de apoio que recebia eram o 'powerade' para o dia seguinte!
      Muitos beijinhos e obrigada!

      Eliminar
  5. Os nomes que eu chamei ao Marroquino e ao motorista enquanto ia lendo ahah :)
    Ai que nervos.
    Nem tenho palavras.
    Foste fantástica, e também tu viveste uma bela experiência.
    Ao ler corriam-me as lágrimas rosto abaixo. :)
    Muito muito comovente. Formam uma família linda e exemplar e só por isso merecem tudo de bom do que a vida tem para dar. Merecem!!!
    Subscrevo o que o Fernando disse: Por detrás de um Grande Homem existe sempre uma Grande Mulher!!!
    E sem dúvida que este é o caso. São um casal EXCELENTE!!!!
    Sou babadissima e muito sortuda por ter amigos assim :))) (Não é para qualquer um ah pois :) )

    Beijinhos enormes****

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deixa que eu chamei-lhe vários nomes. Quando me despedi do marroquino, no último dia, pedi-lhe desculpas e ele compreendeu o meu estado de nervos. Mas passei um mau bocado neste dia... Apenas por achar que tudo aquilo que ali me levou afinal não iria acontecer. Mas acabou por acontecer de outra forma: numa tendinha, só nós os dois... E mais três elementos da organização... E mais quatro atletas... E mais três familiares... E mais seis jornalistas... Foi um momento íntimo...
      Beijinhos e obrigada por seres tu também tão GRANDE!

      Eliminar
  6. Emocionante,obrigado Ana por nos contar e fotografar partes desta história de superação, garra e tantos outros adjetivos que agora me fogem.
    Grande abraço para voces.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Jorge, esse seu apoio do outro lado do Atlântico foi SUPER!!! Sempre ligado!
      Muito obrigada pelas suas palavras e energia. O Paulo gostou muito da expressão: "guerreiro com sangue nos olhos"!
      Beijinhos e muito OBRIGADA

      Eliminar
  7. Oh Anabela... o que vou comentar agora?!? Nem sei! Apenas sei que comecei o dia a ficar "desfeito". Que emocionante relato!!! Que emocionante semana que foi acompanhar a prova dum GRANDE HERÓI E SUA HEROÍNA!!!
    Não só merecem os parabéns como um grande obrigado por toda a alegria e emoção que nos deram. São os maiores!!!

    Um grande beijinho a ti e um grande abraço ao Paulo. Campeões!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ohh João, consegues imaginar esta aventura sem ninguém à nossa volta? Sem vocês?? Eu não... Com quem iria partilhar os CP? Com quem gritava de alegria no final das etapas? Com quem partilhava vídeos e fotos e depois recebia a maior das FORÇAS??
      Esquece João! Se eu tenho 10% de quota, eu diria que todos os que apoiaram têm 20%. O resto deixamos para o Paul Michel, certo?

      Abraço apertado para ti do tamanho do Sahara!!

      Eliminar
  8. ...ó moça....anda por aqui tudo a gozar-me, por agora andar de lágrima no canto do olho a soluçar todos os dias de manhã.....espero bem que tenham um quartinho livre lá em casa, é que se eu for despedido e as minhas meninas me colocarem fora de casa, o resto da minha família e amigos não me aceitarem, VOCÊS vão ter que cuidar de mim e manter-me...afinal são os culpados da situação....esta VOSSA história é espetacular...obrigado pela partilha....já tou com pena de vocês....preparem-se que em Pampilhosa quero atenção total, e se começar a chorar é por causa do pólen que anda no ar :)
    Beijinhos grandes para ti e um abraço para o enorme Paul Michel

    P.S. Que espectaculares Fotos!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deixa-os lá... Tens sempre aqui uma porta aberta. Deixavas o CAL e virias fazer equipa connosco!! :))
      Também foste incansável no apoio, Carlos! Muito obrigada! Na Pampilhosa pomos a escrita em dia!
      Beijinhos

      Eliminar
  9. Respostas
    1. Só uma palavra (mas grande):

      O B R I G A D A

      Eliminar
  10. Uma pessoa até fica sem palavras perante este feito monumental do Paulo!!!
    E ires ter com ele ao deserto...sem palavras.
    Vibrei com cada linha que escreveste, vibrei com esses encontros e desencontros. Um verdadeiro filme, só que não é. É a vida real! São emoções verdadeiras e estão à flor da pele.

    Imagens impressionantes. Relato espectacular!

    Uma família que não conheço bem mas pela qual já sinto um grande carinho. Vocês são um casal muito simpático e com muita garra.

    Paulo, és um verdadeiro herói e um grande orgulho para todos nós.

    Continuem a partilhar histórias conosco. Fenomenal!!!

    Beijinhos grandes, grandes, grandes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada Isa!! O teu apoio foi importantíssimo. As vossas palavras foram decisivas em alguns momentos, acredita... Houve fases difíceis, desde a preparação até à chegada à meta mas sempre que falava disso havia sempre alguém com uma palavra amiga!
      E tudo isto faz parte, senão não tinha o mesmo sabor de vitória!
      Beijinhos, minha querida, e obrigada por tudo aquilo que és!

      Eliminar
  11. Emocionante, Anabela! Emoções à flor da pele, a vida a ser vivida ao seu momento.
    Muitos, muitos parabéns!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes que ainda estou cansada?? Desde as emoções da semana da prova, desde a viagem, desde o stress da (não) chegada à meta, desde o reencontro... Ai... Parece que fui que fiz aquela prova!
      Obrigada, beijinhos Rute!

      Eliminar
  12. Que dizer?
    Além da lágrimas ao canto do olho, que mais para dizer?
    A aventura que deve ter sido, a aventura da vida, ele ter mudado de vida para a fazer ( palavreado mais ou menos teu:)), a tua aventura para ires ter com ele, o Sá a arrastar-se para o chamar ( onde, se não em Trail e com portugueses isto era possível?)
    Por isso, muitos parabéns, excelente ideia o teres ido esperar e garanto que foi muito, à falta de palavras, bom ter tido o previlégio de poder acompanhar a epopeia.
    Bjs e abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi tudo muito intenso. Já disse e repito: hoje é 5ª feira e ainda me sinto cansada!
      Foi sem dúvida, até agora, a aventura das nossas vidas.
      Beijinhos e obrigada!

      Eliminar
  13. Quando soube que estavas a caminho nem me quis acreditar, gravei a chegada do Sá e do Paulo durante a hora do almoço no trabalho a pedido do Catarino e não te vi lá, fiquei preocupado a pensar que não tinhas conseguido, mal adivinhava a verdadeira aventura por que passaste, dava para um livro, vá pelo menos um ou dois episódios de uma série ...:) Agora percebo a beleza da prova e as recompensas no final, com uma recepção dessas acho que o Paulo deixou de sentir todas as dores e o cansaço que devia levar.

    Grande mulher me saíste, estou a ver que quem me vai arrastar no Monte Branco vais ser tu, e o Paulo vai lá estar para te dar a digna recepção na meta :)

    Um grande abraço e vamos aos treinos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro e (já) grande amigo Paulo, foi mesmo uma aventura para não mais esquecer. Mas a partir de agora outra grande aventura se aproxima, a nossa aventura em Chamonix.
      Não sei quem vai puxar por quem, da minha parte conta com alguém com garra para lutar. Não tenho por hábito baixar os braços cedo. Por isso meu amigo, vamos mesmo acabar aquilo. E se queres que te diga prefiro que vás à minha frente, para esperares por mim na meta para dançarmos com a nossa bandeira!!! :)))
      Beijinhos para ti e um mega-abraço para a tua Ana (que é SUPER!!)

      Eliminar
  14. Li o teu texto e foi impossível nao me emocionar... muito muito muuuuito obrigada por esta partilha. Vocês são da facto fantásticos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada J, fantásticos são vocês que tanto nos apoiaram! Nunca pensei...
      Beijinhos

      Eliminar
  15. quem lê isto vive um pouco o momento!

    e chora também, claro! especialmente quem participa em aventuras deste tipo, ainda que em menor escala, pois sabe o turbilhão de emoções ao longo dos percursos/etapas e os sentimentos, aparentemente contraditórios, que se tem quando se completam os desafios, superando todas as adversidades!

    PARABÉNS A AMBOS!



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso P&A Team, aqui a diferença é apenas a grandiosidade da prova. Quem corre, mesmo que sejam 10km, percebe muito bem o que aqui está escrito. As emoções vividas no durante e as conquistas no após... Mexem demais connosco e com quem gosta de nós.
      Obrigada e boas corridas

      Eliminar